É sabido que, periodicamente, deve-se realizar a troca de óleo do carro, uma prática essencial para garantir o bom funcionamento do veículo. A principal dica é ficar atento aos prazos, afinal, a vida útil do seu automóvel depende disso.

Realizar este cuidado evita situações como ruídos no motor, superaquecimento, falhas na partida e perda de potência. Além disso, resulta em um gasto menor do combustível pelo veículo. É importante lembrar que o momento de maior desgaste do motor é na partida, quando o óleo se encontra no fundo e, até ser bombeado para as partes altas, os componentes acabam trabalhando com pouco ou nenhuma lubrificação.

 

Apesar desta ciência sobre a necessidade da troca do óleo, sem falar da enorme quantidade de prejuízos que deixar de realizá-la pode trazer, muitas pessoas deixam o prazo passar. Foi pensando nisso que o Toninho reuniu dicas essenciais para te auxiliar nesse processo. Veja abaixo:

– Consulte o manual do carro

Apesar de, na maior parte das vezes, ser ignorado pelos motoristas, este documento é peça-chave na hora de realizar qualquer manutenção. No caso do óleo, não é diferente, já que é lá que vão estar as recomendações da frequência de troca pelo fabricante.

– Conheça o seu carro
Saber o funcionamento de seu veículo é um ato de prevenção, afinal, evita gastos futuros; e, também, é da segurança de sua vida e de pessoas que você gosta que estamos falando.

– Atente-se ao filtro
Ao realizar a troca do óleo, faça o mesmo com o filtro, pois é ele que retém as impurezas do motor. Ademais, não cometa o erro de apenas completar o nível do óleo, e sim realize a troca completa. E atenção: misturar substâncias novas com velhas pode acarretar em problemas futuros.

– Observe os fatores de redução
Geralmente, a troca de óleo é realizada no período entre 5 mil e 20 mil km. Porém, existem fatores que podem reduzir esse tempo. Aqueles que costumam passar com frequência por regiões de engarrafamento, usam bastante as estradas ou moram em lugares muito quentes precisam redobrar a atenção e fazer a checagem do nível com mais frequência.

– Escolha o óleo ideal
Lembre-se: de nada adianta realizar a troca do óleo se ele não for o indicado para o seu veículo; há no mercado materiais de base mineral, sintética e semissintética, com diferentes propriedades. Tal ato pode trazer consequências graves. Aqui, também vale frisar que você nunca deve misturar óleos diferentes durante a troca.

– Siga algumas dicas durante a checagem
Caso vá realizar o processo por conta própria, a recomendação é esperar o motor esfriar por, pelo menos, cinco minutos. Isso porque, com o óleo ainda muito quente, a chance de acidentes é maior. Outra dica é conferir o nível do lubrificante em locais planos para evitar uma checagem equivocada.

– Tome cuidado com o motor
Ao realizar a troca, não deixe cair óleo no motor, pois o lubrificante, ao entrar em contato com outras partes do automóvel, pode comprometê-las.

– Atente-se a multa!
Não trocar o óleo do carro periodicamente pode ocasionar em multas. É isso mesmo: o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê infrações – desde leves à gravíssimas – que se confirmam a partir de problemas gerados pela adulteração ou insuficiência de óleo no automóvel.

E aí, acha que está preparado para assumir esse compromisso com o seu carro? Ele merece! E aqui, no Toninho, você encontra o serviço de troca de óleo.

Passe na unidade mais próxima de você!

Fonte: Doutor Multas, 4 Rodas

O transporte de crianças em veículos demanda cuidados que por vezes passam despercebidos pelos condutores que acreditam estar protegendo as crianças, quando na verdade estão cometendo equívocos. É muito importante saber escolher o modelo certo do dispositivo que acomodará a criança baseado na idade e/ou altura e peso. Este é o ponto delicado, em que uma escolha errada pode comprometer a segurança da criança. Existem três categorias de produtos destinados a acomodação no veículo. O bebê-conforto, a cadeirinha e  assento em elevação. A Toninho Auto Center explica a diferença entre estes itens para você.

Bebê-conforto: Durante o primeiro ano de idade da criança, este é o item a ser usado. O bebê deve ficar acomodado com o rosto virado de frente para o encosto do banco traseiro, em posição contrária ao movimento e preso pelo cinto de segurança do próprio bebê conforto. Nesta posição, o pescoço da criança fica protegido de freadas bruscas, garantindo mais segurança no transporte.

Cadeirinha: É o equipamento indicado para crianças de 1 a 4 anos de idade. Ao contrário do bebê-conforto, a instalação do equipamento deve ser feita de forma que a criança fique virada para a frente. Da mesma forma que o bebê conforto, a cadeirinha possui cinto de segurança próprio, portanto não deve ser usado o cinto do carro diretamente na criança.

A fixação de ambos os equipamentos são feitos pelo cinto de segurança do veículo, passando pelos locais indicados no produto.

Assento em elevação: Entre 4 e 7 anos de idade o assento em elevação se torna o equipamento ideal, elevando a altura da criança, de modo que o cinto de segurança do veículo possa se encaixar corretamente na altura do ombro. A fixação é feita pelo cinto de segurança do veículo que fixa ao mesmo tempo o dispositivo e a criança.

A partir dos 10 anos a criança não possui mais restrições e pode ser transportada no banco da frente.

O uso de dispositivos de segurança para crianças é obrigatório por lei em todo o território nacional, sendo punido com multa de R$ 191,54 e perda de sete pontos na carteira.