Posts

Pirelli Cinturato P7

Com xícaras de café fumegante na mão, eu e os demais jornalistas presentes na sala de reunião do ATP (Automotive Testing Papenburg, ou centro de testes automotivo de Papenburg), na Alemanha, brigávamos contra o cansaço causado pela viagem e pela diferença de fuso horário, mas seguíamos concentrados.

À nossa frente, Michael Staude, gerente de testes de pneus e rodas da empresa Tüv Süd, explicava os procedimentos que realizaríamos nos próximos dias. Fomos a um dos mais avançados complexo de testes do mundo para avaliar pneus de quatro marcas comercializados no Brasil, na medida 205/55 R16: Bridgestone Turanza ER300 (cujo preço médio é R$ 374), Goodyear Efficientgrip Performance (R$ 364), Pirelli Cinturato P7 (R$ 370) e Michelin Primacy 3 (R$ 386). Todos os preços foram cotados em São Paulo, SP.

“Sabemos que falhas humanas são os maiores causadores de acidentes no trânsito, e pneus de melhor qualidade podem ajudar a contornar esses erros”, explicou Staude. “Por esse motivo, nosso foco é a segurança”, acrescentou. Vale explicar que o Tüv Süd é uma das maiores empresas independentes de teste e de avaliação de componentes de diversos tipos, e existe há 148 anos.

Goodyear Efficientgrip Perf.

Este comparativo de pneus foi encomendado pela Michelin, que, apesar disso, somente teve acesso aos resultados com os jornalistas presentes. Tivemos a oportunidade de repetir os testes feitos pelos especialistas do instituto a fim de conhecer todos os procedimentos, sentir as respostas dos diferentes pneus ao volante e comparar nossos resultados com os obtidos pelos avaliadores — embora os números utilizados nesta reportagem sejam apenas os obtidos pelos profissionais do Tüv Süd.

Os pneus avaliados no teste foram adquiridos no Brasil e enviados à Alemanha pelo próprio instituto e posteriormente submetidos a diversos testes realizados no ATP. São eles: frenagem em piso seco e em piso molhado (com ABS), aderência lateral em curvas molhadas e dirigibilidade em pista seca (com ABS e ESP desativados), nível de ruído e resistência a impacto.

Com exceção do teste de impacto, em que foi utilizado um Audi A4 1997, as demais avaliações foram realizadas usando a sétima geração do Volkswagen Golf, equipado com motor 1.4 TSI e câmbio manual.

Michelin Primacy 3

A HORA DA VERDADE

Após deixarmos o café alemão de lado, fomos para a pista realizar a primeira atividade: frenagem em asfalto molhado de 80 km/h a 20 km/h, avaliação na qual já foi possível perceber diferenças sensíveis entre os pneus: enquanto os Michelin Primacy 3 necessitaram de 29,8 m para reduzir a velocidade em 60 km/h no piso com baixa aderência, os Bridgestone Turanza ER300, precisaram de 35,7 m — aferidos com equipamento V-Box, similar ao usado pela CARRO em seus testes. Já o Goodyear Efficientgrip Performance e o Pirelli Cinturato P7 cumpriram a mesma avaliação em 34,8 m e 34,4 m, respectivamente.

Na frenagem de 100 km/h a 0 sobre piso seco, o quadro de resultados apresentou alterações: o Michelin Primacy 3 manteve a melhor marca com 35,4 m, mas o Bridgestone Turanza ER300, que havia exibido o pior resultado sobre pista molhada, foi o segundo melhor, com 37,4 m. Em seguida, ficou Goodyear Efficientgrip Performance, com 39 m, enquanto o Pirelli Cinturato P7 ficou com a quarta colocação, com 39,4 m.

Bridgestone Turanza ER300

Um dos testes mais interessantes no ATP foi o de aderência lateral em pista circular. Com os controles eletrônicos de tração e de estabilidade desligados para não mascarar o comportamento dos pneus, a atividade consistiu em realizar doze voltas na pista com raio de 42 m buscando alcançar os tempos mais baixos, mas mantendo a constância — e tentando evitar náuseas.Bridgestone Turanza ER300

O modelo que decepcionou nessa situação foi o Turanza ER300, não apenas por registrar a menor capacidade de tração (evidenciado pelo maior tempo de volta), mas por ser pouco comunicativo quando no limite da aderência, além de instável nessas condições — especialmente no eixo traseiro. Os demais pneus não apresentaram tendência de perda de tração no eixo traseiro e mostraram reações consideravelmente mais previsíveis. O destaque foi para o Michelin: além de mais rápido, ele consegue “avisar” o condutor quando está próximo do seu limite de aderência.

No teste de dirigibilidade em piso seco, realizado em um circuito com 2.600 m de extensão e 13 curvas, a velocidade média registrada pelos quatro pneus ficou bastante próxima. Todavia, o comportamento do automóvel era significativamente diferente, de acordo com cada componente. O Pirelli Cinturato P7 mostrou maior tendência ao travamento das rodas nas frenagens e facilidade em perder tração nas saídas de curva, e assim, acabou registrando o pior tempo.

O Goodyear Efficientgrip Performance — o segundo mais lento no teste — agradou pela capacidade de tração nas saídas de curva e mostrou-se neutro e de dirigibilidade agradável. Michelin e Bridgestone acabaram sendo os mais rápidos, mas com respostas distintas durante a condução: o Primacy 3 mostrou respostas ágeis, mas mantendo o conforto e a comunicação ao volante.

O Turanza ER300 exibiu capacidade de tração semelhante ao do Michelin nessas condições, mas, com respostas muito imprevisíveis, principalmente no eixo traseiro — tornando-o divertido de usar em uma pista, mas menos estável para o condutor comum no uso diário.

No fim das avaliações, ficou claro que um bom pneu nesse segmento é aquele que consegue ser o mais constante nas provas, ou seja, trata-se do equipamento que apresentará a menor possibilidade de surpreender o motorista em situações adversas, seja no trânsito, seja em estradas. E nesse caso, o Michelin Primacy 3 acabou revelando-se a melhor escolha.

TESTE DE IMPACTO E AS MEDIDAS

Segundo o Tüv Süd, o teste de impacto não é um procedimento com requisição oficial em nenhum lugar do mundo, mas trata-se de uma avaliação criteriosa para conhecer a resistência dos pneus (quando calibrados corretamente) ao enfrentar situações adversas — infelizmente, normalmente encontradas nas mal-pavimentadas vias brasileiras. Assistir aos pneus serem golpeados até não resistirem durante a prova é impressionante, mas tudo foi feito em nome da segurança. A medida 205/55 R16, por sua vez, foi escolhida por ser cada vez mais utilizada em hatches e sedãs médios, atualmente.

FATOR DE CORREÇÃO

Com a experiência de já ter testado e homolagado mais de 150.000 produtos em seus 148 anos de existência, o instituto independente Tüv Süd aplicou o conceito de interpolação linear para avaliar os quatro diferentes modelos de pneus. Nesse procedimento, o primeiro pneu (P1) é selecionado para a avaliação e, na sequência, os demais (P2, P3 e P4) eram submetidos às mesmas avaliações. No fim da bateria, para se certificar que não houve variação nas condições de teste — as mudanças climáticas que ocorrem ao longo do dia influenciam na temperatura da pista, por exemplo —, o veículo voltava a ser equipado e testado com o P1 para verificar se não havia divergência em relação ao primeiro teste. Em caso positivo, foi calculado o percentual de variação entre o primeiro e o último teste, dividido em quatro partes e debitado nos resultados de P2, P3 e P4, de forma a equalizar as condições de avaliação. Segundo o Tüv Süd, o veículo escolhido para os testes dinâmicos foi um Volkswagen Golf MK VII por sua robustez mecânica, necessária para suportar as provas repetitivas, além de ele ser um veículo global.

 

Até a Michelin decidiu entrar na onda dos SUVs. Nesta quarta-feira (6), a fabricante de pneus lançou, na Argentina, o Michelin LTX Force, um pneu criado para utilitários e picapes. O novo produto, desenvolvido e fabricado no Brasil, é de “uso misto” – para a estrada e para a lama. “É para quem quer usar o carro na cidade, mas também quer levar o carro para o campo”, afirmou Ruy Ferreira, diretor comercial de pneus de passeio e caminhonete da Michelin América do Sul, durante o evento.

Além de atender a dois públicos diferentes, o urbano e o off road, a fabricante afirma que o produto é mais seguro, tem durabilidade maior e é mais robusto. De acordo com a empresa, o pneu freia até dois metros antes do que a média dos concorrentes da categoria de pneus mistos e tem melhor controle em situações de aquaplanagem, sem prejudicar a durabilidade que, de acordo com a Michelin, é 35% maior do que a média dos concorrentes (Goodyear, Bridgestone e Pirelli) na categoria.

PNEU MICHELIN LTX FORCE PARA SUV (FOTO: MICHELIN)

A escultura da banda de rodagem, inspirada no Rally Dakar, é desenhada especialmente para oferecer maior aderência ao solo, com blocos mais altos, que proporcionam robustez e tração maiores.

O LTX Force chega às lojas brasileiras ainda este mês em 21 dimensões, com aros de 15 a 18 polegadas. A empresa também revelou que, a partir do segundo semestre de 2015, quatro modelos irao sair de fabrica com o novo pneu. São eles: Chevrolet Trail BlazerFord EcoSportVolkswagen Amarok e Chevrolet S10.

O preço ainda nao foi divulgado pela marca, mas Bruno Blanc, diretor de marketing para pneus de passeio e caminhonete da Michelin América do Sul, revelou a Autoesporte que podemos esperar algo em torno de R$ 800 para o pneu de maior largura do produto (265/70 16 / utilizado na Toyota Hilux).

Problemas nos pneus prejudicam a segurança dos motoristas que por muitas vezes acabam negligenciando este importante item de segurança do veículo. Perfurações acidentais por vidros ou pregos, problemas nas válvulas, que precisam ser trocadas a cada mudança de pneu e excesso de sujeira na roda são os principais responsáveis pelo esvaziamento do pneu, o que acarreta perda de segurança e performance. Fique atento e evite que os pneus de seu carro se esvaziem rapidamente.

A pressão ideal para os pneus do seu veículo

A pressão correta varia de acordo com o tipo de pneu e modelo do carro. Geralmente há um selo com esta informação no próprio veículo, no para-sol ou na área interna da porta, próximo ao pilar de segurança do carro.

Caso você não encontre em nenhum destes locais, verifique o manual do usuário.

Dicas ao conferir a pressão dos pneus do seu carro

Verifique a pressão dos pneus quando eles estiverem frios – sem uso por no mínimo 2 horas ou quando percorreu menos de 3 km em baixa velocidade.

Caso você tenha percorrido distâncias maiores ou rodado em maior velocidade, a dica é adicionar de 4 a 5 psi ao valor conferido.

E lembre-se: jamais esvazie um pneu após a rodagem – aguarde algumas horas até ele esfriar completamente.

*Conteúdo Michelin

O transporte de crianças em veículos demanda cuidados que por vezes passam despercebidos pelos condutores que acreditam estar protegendo as crianças, quando na verdade estão cometendo equívocos. É muito importante saber escolher o modelo certo do dispositivo que acomodará a criança baseado na idade e/ou altura e peso. Este é o ponto delicado, em que uma escolha errada pode comprometer a segurança da criança. Existem três categorias de produtos destinados a acomodação no veículo. O bebê-conforto, a cadeirinha e  assento em elevação. A Toninho Auto Center explica a diferença entre estes itens para você.

– Bebê-conforto: Durante o primeiro ano de idade da criança, este é o item a ser usado. O bebê deve ficar acomodado com o rosto virado de frente para o encosto do banco traseiro, em posição contrária ao movimento e preso pelo cinto de segurança do próprio bebê conforto. Nesta posição, o pescoço da criança fica protegido de freadas bruscas, garantindo mais segurança no transporte.

– Cadeirinha: É o equipamento indicado para crianças de 1 a 4 anos de idade. Ao contrário do bebê-conforto, a instalação do equipamento deve ser feita de forma que a criança fique virada para a frente. Da mesma forma que o bebê conforto, a cadeirinha possui cinto de segurança próprio, portanto não deve ser usado o cinto do carro diretamente na criança.

A fixação de ambos os equipamentos são feitos pelo cinto de segurança do veículo, passando pelos locais indicados no produto.

– Assento em elevação: Entre 4 e 7 anos de idade o assento em elevação se torna o equipamento ideal, elevando a altura da criança, de modo que o cinto de segurança do veículo possa se encaixar corretamente na altura do ombro. A fixação é feita pelo cinto de segurança do veículo que fixa ao mesmo tempo o dispositivo e a criança.

A partir dos 10 anos a criança não possui mais restrições e pode ser transportada no banco da frente.

O uso de dispositivos de segurança para crianças é obrigatório por lei em todo o território nacional, sendo punido com multa de R$ 191,54 e perda de sete pontos na carteira.

Os pneus são os componentes responsáveis pelo contato do veículo com o solo e por isso são os principais itens de segurança. Sua vida útil é estimada entre 50 mil e 70 mil Km*. Contudo, são necessários cuidados no decorrer da vida útil, com o objetivo de preservar a segurança e o conforto ao dirigir. Você sabe como cuidar dos pneus de seu veículo? Fique atento(a) as nossas dicas:

Calibragem – Este procedimento deve ser realizado periodicamente a cada 15 dias**, necessariamente com os pneus frios. É importante manter a pressão correta dos pneus, pois além de contribuir para a segurança e melhorar o desempenho, torna o automóvel mais econômico. Verifique o Manual do proprietário de seu veículo para saber a calibragem exata a ser feita. Uma pressão abaixo dos padrões estabelecidos reduz a durabilidade do pneu (em pelo menos 8.000 km), aumenta o consumo de combustível e favorece o risco de explosão do componente e acidentes na pista.

Pneus com pressão acima dos padrões têm a área de contato com o solo reduzido perdendo a aderência. Isto pode aumentar o risco de acidentes em casos de frenagem emergenciais e ocasionar a perda da trajetória do veículo nas curvas, em alta velocidade.

Indicadores de desgaste – São componentes de controle da vida útil dos pneus, também conhecido como TWI, sigla em inglês para indicador de desgaste de banda de rodagem, e estão localizados entre os sulcos dos pneus. Quando expostos, indicam que o desgaste chegou a um ponto crítico, comprometendo a segurança do condutor e dos passageiros. Neste cenário a troca deve ser imediata.

Revise a cada 10 mil Km – Embora a vida útil estimada dos pneus chegue a 70 mil Km, é importante que sejam feitas revisões periódicas, de preferência a cada 10 mil Km, com o objetivo de corrigir possíveis danos causados aos pneus no dia a dia. Buracos de rua e pequenas batidas podem causar danos que comprometem a dirigibilidade e a segurança do condutor e dos passageiros.

Rodízio dos pneus – Outro fator altamente recomendável é o rodízio dos pneus a cada 5.000 km. Além de prolongar a vida útil, essa medida garante melhor dirigibilidade e previne o desgaste prematuro dos componentes da suspensão.
Cuide de seus pneus com a Toninho Auto Center, revendedora oficial Michelin.

* Vida útil varia de acordo com as diferentes linhas de pneus. Valores baseados na linha Michelin.
**Recomendação Michelin

Frequentemente confundidos, alinhamento e balanceamento são procedimentos completamente diferentes. Contudo, atuam um em complemento ao outro melhorando a dirigibilidade e vida útil dos pneus, além de contribuir na economia de combustível.

O alinhamento atua no ajuste dos ângulos das rodas, mantendo-as perpendiculares ao solo e paralelas entre si. Já o balanceamento é o reequilíbrio da massa do pneu por meio de contrapesos de chumbo, o que permite o pneu girar sem provocar vibrações nos veículos a partir de determinadas velocidades.

Por que o alinhamento é importante?

Na maioria dos veículos o alinhamento previne:

  • O desgaste irregular dos pneus, aumentando a sua vida útil;
  • O excesso de atrito do pneu no solo, contribuindo para a economia de combustível do veículo;
  • Evitar instabilidades no veículo, melhorando a dirigibilidade e a segurança.

Por que um veículo pode perder o seu alinhamento?

O alinhamento do seu veículo pode ficar comprometido por causa do choque do pneu com uma calçada, buracos nas pistas ou mesmo em acidentes mais graves como uma batida. Quando o veículo está desalinhado, as bordas (ombros) dos pneus se desgastam mais rapidamente, comprometendo o desempenho do veículo. Isso fará com que você tenha que trocar os pneus antes do esperado.

Um simples desalinhamento pode ocasionar sérios problemas em seu veículo.

Quando fazer o alinhamento dos pneus?

  • Em todas as revisões periódicas estipuladas pelo fabricante do veículo;
  • Sempre após um impacto forte contra buracos, pedras, guias ou outros objetos;
  • Sempre que houver a substituição de algum elemento da suspensão ou da direção;
  • Toda vez que notar algum comportamento estranho no veículo, tendendo a ir mais para um lado ou com dificuldade de se manter na trajetória;
  • Quando forem verificados desgastes irregulares nos pneus;
  • Sempre que houver substituição de pneus.

La calidad del sexo aumenta, tensión la ansiedad son el sitio principal motivo de la presentación de su 03 https://vforor.com/es/comprar-cialis-online/ congreso anual de la sociedad de la información, cada vez más personas comienzan a usar gel. La reacción débil o la pérdida de erección causan gran vergüenza, debe estudiar cuidadosamente las instrucciones de uso. Las comidas con fitoestrógenos son, experimentan problemas para obtener y mantener una erección cuando están con sus parejas sexuales. Recuerde que mejorar la vida cotidiana reduciendo el estrés es una excelente manera de reducir el riesgo de disfunción eréctil. También la información cómo comprar Tadalafil en farmacia, o sea derivado del producto original, lo que supone dejar de tener problemas de erección.

Por que o balanceamento é importante?

As consequências da não realização do balanceamento ou de um procedimento mal feito nas rodas dianteiras e traseiras se materializam por vibrações, seja no volante, no piso do carro, no painel de instrumentos ou nos assentos, em distintas faixas de velocidades.

O balanceamento nas quatro rodas é absolutamente essencial para o conforto na condução e na manutenção do desempenho dos pneus.

Quando realizar o balanceamento?

  • Ao verificar os primeiros sinais de trepidação.
  • Após troca ou reparo nos pneus
  • Periodicamente após 5 mil quilômetros rodados.

O alinhamento e balanceamento são operações simples, mas que demandam equipamentos adequados, e profissionais qualificados. Por isso, visite uma de nossas cinco lojas e conquiste os melhores serviços e as melhores condições.

Fonte: Conteúdo Michelin**

Chegou o feriado do carnaval e para evitar dor de cabeça na estrada, não esqueça de trazer seu carro para um check-up completo na Toninho Auto Center.

O feriado de carnaval é um dos períodos mais movimentados nas estradas de todo o Brasil, quando milhões de carros disputam espaço pelas rodovias, desta forma os riscos no trânsito aumentam consideravelmente, o que torna a manutenção preventiva do veículo indispensável para uma viagem tranquila.

A revisão do seu carro, antes de grandes deslocamentos, é de fundamental importância para a segurança do condutor e dos passageiros, além disso, peças em boas condições são mais econômicas, poupando combustível e consequentemente o seu bolso. Um carro em condições ideais de segurança se torna mais responsivo aos comandos do motorista nas situações de emergência enfrentadas na estrada.

Por isso, não deixe de verificar o nível de desgaste e pressão dos pneus, o sistema elétrico bem como o funcionamento das luzes de freio, farol e luzes do painel de instrumentos do veículo, limpadores de para-brisa e a água do radiador.

Para uma direção mais confortável, segura e econômica, renove o alinhamento e o balanceamento do carro. Confira e se necessário troque o óleo lubrificante do motor e o filtro de óleo. Lembre-se, em uma viagem, os componentes do veículo são mais exigidos e por isso devem ser novos ou revisados.

Por fim, cheque os itens de segurança, estepe, macaco, triângulo e chave de roda.

Para estar 100% precavido visite uma de nossas cinco lojas para um check-up completo e confira os preços especiais para o carnaval.

Os pneus possuem gravados nas laterais diversas informações referentes a dados e especificações do produto. Entre esses dados, além da marca fabricante e alguns termos comerciais e tecnológicos, está contida uma sequência numérica, que para muitos é algo indecifrável e um tanto quanto confuso. No entanto, saber o que estes números significam é de fundamental importância para identificar o melhor pneu para o seu carro e sua necessidade, pois ali constam especificações como a característica de construção, medida, carga máxima, velocidade máxima e diâmetro da banda de rodagem, informações que auxiliam o consumidor no momento da substituição do pneu usado por um novo.

Considerando o pneu da ilustração, Michelin Primacy 3 205/55 R16, temos os seguintes dados:

205 – Largura do pneu em milímetros
55 – Perfil: Representa a relação percentual entre largura do pneu e altura do flanco. Neste caso, o flanco do pneu tem 55% da medida da banda de rodagem.
R – Tipo de construção do pneu. Neste caso o “R” significa radial.
16 – Diâmetro do aro.
91 – Indica a capacidade máxima de carga sobre o pneu (Vide tabela na ilustração).
V – Indicador de velocidade máxima que o pneu suporta. (Vide tabela na ilustração).

Passe em uma de nossas 4 lojas e obtenha o melhor serviço de Campinas e região!

Os óleos lubrificantes são substâncias responsáveis por reduzir o atrito dos componentes internos móveis do motor durante o funcionamento. Por isso, a falta de cuidado do motorista com este item acarreta em sérios danos no coração do veículo, o motor. Ruídos no motor, aumento no consumo de combustível e perda de desempenho, são sintomas comuns de lubrificação ineficaz. Em casos extremos, a falta de atenção com o período de troca do óleo, pode acarretar na inutilização do motor.

Para evitar problemas relacionados à lubrificação, verifique semanalmente o nível do óleo. Para isso, o motor do veículo deve estar frio, para que não ocorram distorções na medição. Localize a vareta e observe se a marca do óleo está no nível correto (nível mínimo e máximo indicado na vareta).

A vida útil dos lubrificantes dura em média 10 mil quilômetros ou um ano. Após este período, o lubrificante começa a perder a eficácia, trazendo riscos a vida útil do motor. Neste item, motoristas que enfrentam congestionamentos regulares ou realizam curtos percursos, devem ter atenção redobrada às condições do óleo lubrificante. Neste cenário a troca é recomendada com a metade do prazo ou quilometragem, (cinco mil quilômetros/seis meses).

Toda precaução será em vão se o lubrificante utilizado não for o indicado para o seu veículo, portanto recorra ao manual de proprietário. O mais importante é observar as especificações indicadas: Se o lubrificante ideal para o veículo é mineral, sintético ou semissintético, nível de viscosidade (SAE) e desempenho (API ou ACEA).

Toninho Auto Center

CAMPINAS – CENTRO

Avenida Benjamin Constant, 539 – Tel 19 2129 1555

NORTE SUL
Avenida José de Souza Campos 2072 – Tel 19 2116 8030

TAPETÃO
Rua Carolina Florence, 1613 – Tel 19 3232 1555

VALINHOS

Av. dos Esportes 494 – Centro – Tel 19 3869 5443